• Cresce a população de tartarugas-marinhas no Brasil
  •  

    Afirmação é do Projeto Tamar, responsável pela conservação das cinco espécies existentes na costa brasileira.

    A notícia é boa. De acordo com levantamento do Projeto Tamar – responsável pela conservação das cinco espécies de tartarugas-marinhas existentes na costa brasileira –, nos últimos cinco anos todas elas mostraram recuperação em seus ciclos reprodutivos. As desovas de tartarugas-oliva (Lepidochelys olivacea) nas praias de Sergipe aumentaram de 100 para 2 mil nos últimos 30 anos.

    “Quando chegamos, as populações estavam diminuindo. Agora a reprodução está aumentando. Hoje algumas espécies têm 20 vezes mais tartarugas do que quando chegamos. Podemos ver isso pelo número de ninhos que têm nas praias”, observou Guy Marcovaldi, coordenador nacional do Tamar.

    Marcovaldi não hesita em afirmar que os números refletem a atuação das equipes do projeto que completa 33 anos. Mas segundo o próprio pesquisador, as ameaças às espécies de tartarugas no País não cessaram. Há três décadas, o risco era a matança direta dos ovos e dos animais. Atualmente, além dessa prática – que parecia extinta, mas está sendo retomada em algumas regiões, como no litoral Norte do Ceará –, biólogos e técnicos têm observado outras ameaças provocadas pela ocupação do litoral.

    “Começaram a surgir muitas casas onde as tartarugas desovam e devido à luz, causam problemas, afetando o comportamento das tartarugas. Elas são guiadas pela luz mais forte e, ao invés de retornarem para o mar, migram na direção da praia”, explicou ele.

    O problema é mais frequente em algumas regiões, como no litoral Norte da Bahia, por conta do aumento da população. Mas, Marcovaldi alerta que o risco está em todas as praias de desova ocupadas tanto por residências quanto por portos, por exemplo, como é o caso do litoral capixaba.

    A pesca também se mantém como uma das principais ameaças. Muitas vezes, sem a intenção, os pescadores acabam capturando tartarugas durante a atividade. O problema tem sido enfrentado de três maneiras pelos pesquisadores do Tamar. Segundo Marcovaldi, a estratégia mais radical e menos aplicada é o deslocamento dos pescadores para áreas onde não existem tartarugas.

    “Outra forma é o pescador se acostumar a livrar a tartaruga e devolvê-la para o mar e isso tem acontecido com bastante frequência”, destacou, acrescentando que ainda é possível reduzir os riscos, mudando os apetrechos utilizados na pesca. O anzol circular, por exemplo, diminui em 70% o risco de captura involuntária, pelo formato da peça que impede o encaixe na boca da tartarugas.

    Tartarugas rastreadas

    O Projeto Tamar tem feito o rastreamento de tartarugas por satélite desde novembro. “Soltamos um filhotinho de cabeçuda no Norte da Bahia, que já esta no Sul, na região de Abrolhos e deve chegar em Santa Catarina. Em janeiro de 2013, vamos ter mais seis tartarugas rastreadas e queremos descobrir para onde os filhotes seguem, depois que nascem. Vai ser importante saber essa rota e adotar medidas de proteção”, enfatizou Marcovaldi.

    Em dezembro foi realizada a soltura do filhote de número “15 milhões” nascido no laboratório do projeto, simbolizando o número de tartaruguinhas liberadas no mar desde a criação do Tamar.

    projeto-tamar

    Fonte: Terra da Gente, com info Tamar/ Agência Brasil

    Terça-feira, 08 de janeiro de 2013.

  • em Blog
  • Deixe uma resposta


    + três = 5