• Para onde foram os plásticos despejados no oceano?
  • Milhões de toneladas de plástico sumiram dos oceanos. Novo estudo sugere que animais estejam comendo nosso lixo.

    O plástico foi inventado no início de 1800, mas não decolou até 1950 e, desde então, a sua produção e uso são cada vez maiores.

    Um dado interessante mostra que os 2,2 milhões de toneladas de plástico produzido em 1950 aumentou vinte vezes ao longo das duas décadas seguintes, de acordo com a Quartz.

    Desde 1970, pelo menos 0,1% de todo o plástico produzido teve seu fim no oceano, o que equivale a cerca de 1 milhão de toneladas de acordo com estimativas conservadoras. Isso é um volume impressionante de coisas flutuando no oceano.

    Produção de Plástico no Mundo

    world-plastic-production-world-plastic-production_chartbuilder

    Por mais de uma década, pesquisadores da  University of Western Australia  monitoram milhões de toneladas de lixo nos oceanos. Algumas ilhas artificiais de plástico chegaram a ser formadas, como a Grande Porção de Lixo do Pacífico. Mas, de acordo com um novo estudo publicado, algo preocupante está acontecendo: 97 a 99% dos plásticos que deveriam estar nos oceanos estão desaparecendo.

    Cinco dessas grandes ilhas de lixo foram monitoradas entre 2010 e 2011 e o resultado foi surpreendente: apenas 40 mil toneladas (quantidade bem menor do que a que foi despejada). A pergunta fica: o que aconteceu com todo aquele plástico despejado?

    É possível que parte dete material esteja se desintegrando ou desaparecendo na costa, mas isso é improvável.

    Como boa parte do plástico do oceano fica em tamanho reduzido (se não microscópico) pela ação da água e da radiação solar, cientistas acreditam que o material pode ter entrado na cadeia alimentar marinha. Há evidências de que pequenos peixes estejam comendo estes plásticos. Ainda não se sabe o efeito direto que este material causa nestes peixes, ou mesmo se eles são capazes de excretar suas refeições de plástico. Isso é preocupante, uma vez que os produtos químicos tóxicos presentes no plástico podem permear seus tecidos, o que é ruim para os peixes mesopelágicos (aqueles que vivem na faixa mediana do oceano, nadando para a superfície durante a noite para se alimentar), mas também potencialmente ruim para os seres humanos. Pelotas de plástico de 0,5-5 milímetros também são comumente encontrados no estômago dos predadores que comem esses peixes menores, de acordo com o estudo. Estas incluem o atum, cavala e outros favoritos de cardápios de sushi.

    Agora mais pesquisa é necessária para notar que tipo de efeito colateral esse fenômeno pode causar. Vamos ficar atentos.

    Fonte: Galileu & Quartz

    Segunda-feira, 07 de julho de 2014.

  • em Blog
  • Deixe uma resposta


    oito + = 14