• Éramos arborizados e ambientais
  • por Edgar Santa Rosa Esteves

     

    “O chão começa a chamar as formas estruturadas faz tanto tempo. Convoca-as a serem terra outra vez. Que se incorporem as árvores hoje vigas! Volte o pó a ser pó pelas estradas.” Drummond

    Todo final de ano acontece no Memorial da América Latina a premiação para os municípios que melhor cumpriram o protocolo de intenções na área ambiental, o certificado verde azul organizado pela secretaria do meio ambiente do Estado de São Paulo. É como já disse o eminente araraquarense Ignácio de Loyola Brandão em artigo que li faz tempo na tribuna impressa: “que prefeito não estaria orgulhoso em receber tal prêmio”.

    Numa época em que o meio ambiente só falta falar e, se conseguisse, a primeira palavra seria um sonoro pedido de socorro, realmente era de se esperar que orgulho fosse o menor sentimento.

    Naquela oportunidade disse mais ainda mestre Ignácio: “Porque me lembrava do orgulho que nós sentíamos ao saber que éramos a cidade mais arborizada e limpa do Brasil. No que nos tornamos? No que nos tornamos?”. Como é bom saber de tamanho e tão importante sentimento por uma cidade tão carente na área ambiental, como é o caso de Araraquara.

    Éramos a cidade mais arborizada e limpa, mas o tempo passa, a cidade cresce, os problemas avolumam-se e as verbas, as atividades e as atitudes não acompanham em teor e velocidade.

    Mas se a colocação de Araraquara neste ano for o primeiro lugar, o que fazer com um contentamento pela metade que, por fim, não é mais que um descontentamento? Além disto, este certificado, por si só, realmente qualifica o município como bom de meio ambiente? O Secretário do meio ambiente do Estado de São Paulo garante que os municípios com melhor classificação fizerem a maioria da lição de casa com relação ao meio ambiente? Certamente neste ano, o pleito será político por excelência.

    Humildemente peço licença ao Sr. Ignácio de Loyola Brandão para plagiá-lo e perguntar: no que nos tornamos? No que nos tornamos? No que?

  • em Blog
  • Deixe uma resposta


    − quatro = 0