• A Dengue, o Greening, o Meio Ambiente, ……
  •             Deus, parece, esta a nos enviar doenças e pragas que, cada vez mais, exigem a participação conjunta das pessoas para a preservação da própria vida. Estaria Ele, desta forma, nos avisando, de maneira contundente, porém com um certo toque bíblico, sobre a necessidade de se cuidar melhor do meio ambiente? Mais ainda, sobre a necessidade de atitudes conjuntas de toda a população nesse sentido? Será que não aproveitaremos esta chance também?

                O homem encara, dia após dia, diversos desafios, intrigantes e preocupantes. É luta contra doenças novas que aparecem, é luta contra pragas novas na agricultura, é evolução científica cada vez mais obscura. Para todos estes acontecimentos há uma explicação principal, a nossa convivência conturbada e desordenada com a natureza. Os problemas, tudo indica, tendem a piorar. Tudo bem, há em nosso favor a inteligência humana com combinações científicas aparentemente ilimitadas, ainda.

                Tanto na saúde humana quanto na sanidade vegetal, o homem encara diversas situações difíceis. Duas, no entanto, chamam a atenção pelas similaridades, pela necessidade da participação conjunta da sociedade no seu controle. Parece que aquele velho, esmaecido e abandonado ditado, a união faz a força, ganha força novamente e já não era sem tempo.

                Vejam as similaridades de dois casos emblemáticos. Na agricultura, mais especificamente na citricultura, convivemos, desde 2004, com o HLB, também conhecido como Greening. A mais pujante citricultura mundial, com 400 mil empregos diretos, encontra-se em situação muito delicada por conta desta doença. O pior pode acontecer se não houver uma ação conjunta dos citricultores, uma ação social. É uma doença provocada por bactéria e cujo controle consiste em eliminar plantas doentes e, conjuntamente, o inseto vetor, conhecido como psilídeo.

                Com a dengue acontece o mesmo. Há, no entanto, uma diferença fundamental. No caso da dengue não é apropriado eliminar a fonte de inóculo, o homem. O vetor do vírus, transmissor da dengue, é também um pequeno inseto, o Aedes egyptis. Ambos os casos, e parece não ser somente coincidência, exigem da sociedade participação conjunta para o controle. No caso da dengue, o controle do vetor é a única solução. Para tanto a limpeza é fundamental, não somente a esporádica, eventual.

                Numa comunidade de dez citricultores, por exemplo, é suficiente que apenas um não faça a lição de casa para prejudicar a todos. O caso da dengue é bem isto, basta uma só casa mal cuidada, ou abandonada para prejudicar todos de um bairro ou até de toda a cidade.

  • em Blog
  • Deixe uma resposta


    7 − dois =